Concentração para os árbitros

A novidade em termos de arbitragem no final de semana foi a medida adotada pela Federação Paulista de Futebol de adotar o sistema de concentração, utilizado para os atletas profissionais, também para os seus apitadores, assistentes e auxiliares. O objetivo é o de melhorar o desempenho do sexteto de arbitragem (árbitro, quarto árbitro, os dois tradiconais assistentes e aqueles outros dois que ficam atrás das metas.

É o regime de concentração, defendida pelo presidente da Comissão Estadual de Arbitragem, Marcos Marinho, numa entrevista à Folha, que poderá deixar o árbitro mais distante da pressão, que aumenta com as rodadas mais decisivas da competição. Psicólogos ficarão à disposição dos apitadores, uma preparação especial para os jogos. A concentração, que se iniciou nesta rodada, vai até o final do Paulistão.

Não é a primeira vez que a FPF adota tal medida (não é inédita). O “retiro” também se verificou na semifinal do Estadual do ano passado.

O presidente da Comissão de Arbitragem faz um balanço positivo da arbitragem no Paulista. Ele considera que a colocação de auxiliares atrás dos gols tem dado uma segurança maior ao árbitro central.

Enfim… é uma experiência. É válida. Porém, não vai determinar o fim das polêmicas no futebol. Essas não se acabam muito, para o bem do esporte.

Por: Adamar Gomes