Jogadores do Vulcão vão para o Hospital e Mamoré fica sem jogar

Mamoré se apresentou em campo neste sábado (13) no Estádio “Bernardo Rubinger” para enfrentar o Poços de Caldas, pela primeira rodada do returno do Grupo A do Módulo II do Campeonato Mineiro.

Ocorre que o Vulcão não compareceu porque inúmeros jogadores e mais o treinador Sandro Gaúcho foram parar no Mini-Hospital (UPA), com intoxicação alimentar.

O problema começou na sexta à noite e pode ter sido motivado no lanche que os jogadores fizeram na estrada, no almoço em Franca ou no jantar e almoço em Patos de Minas. Isto ainda não foi apurado.

Os primeiros a serem internados foram os dois goleiros Diego e Alberto, o atacante Luizinho e o técnico Sandro Gaúcho, pela manhã, apresentando cólicas, vômitos e diarréia e medicados com hidratação venosa, atendidos pelo Dr. Rômulo Ferreira da Silva.

No período da tarde, outros atletas sentiram os mesmos sintomas e também foram levados ao atendimento médico. Sem treze jogadores com problemas médicos, o Poços não compareceu para o jogo no “Bernardo Rubinger”.

O Mamoré foi a campo, fez o aquecimento, vestiu o uniforme, entrou em campo para a partida que teria início às 16 horas. O árbitro esperou vinte minutos. Vencido este prazo, o Mamoré se postou à direita das cabines de Rádio e esperou a autorização da arbitragem para se retirar.

Dirigentes do Poços de Caldas compareceram ao Estádio, levando os atestados médicos, que deverão fazer parte da documentação que vai ser analisada pela Federação Mineira de Futebol. Resta aguardar a decisão da FMF, que deve enviar os relatórios para o julgamento do TJD e, quem sabe, marcar uma nova partida, caso as alegações do Poços de Caldas sejam aceitas.

Por: Adamar Gomes
Fotos: Wallisson Alves

3 ideias sobre “Jogadores do Vulcão vão para o Hospital e Mamoré fica sem jogar

  1. Sr. OSVALDO CARVALHO:

    Esse texto saiu no PATOS URGENTE e fora publicado por esse missivista, excluindo-se a fase “SAIR COMENTANDO E CRITICANDO AQUILO QUE ELE É LEIGO”, que não é de minha autoria.. Corrija-me, se estiver enganado, ok. Plagiou-me, mas agradeço, e quando ocorrer novamente, cite a fonte.

  2. OLÁ AMIGOS,
    ESTAMOS QUERENDO SABER MAIS NOTICIAS DA INTOXICAÇÃO ALIMENTAR QUE AFETOU ATLETAS E O TREINADOR SANDRO GAUCHO.
    ESPERAMOS UM BOM SENSO DA FEDERAÇÃO MINEIRA PARA JULGAR O CASO.

    UM FOOORTE ABRAÇO

    AIRTON MARQUES
    RADIO ABC AM 1570 KHZ
    OUTRO E-MAIL AOVIVO@FUTEBOLABC.COM.BR

  3. QUANDO OCORRE A SUSPENSÃO DE UMA PARTIDA DE FUTEBOL ANTES DE SEU INÍCIO, POR MOTIVO DE FORÇA
    MAIOR (QUE É O CASO), NÃO É NECESSÁRIO QUE A EQUIPE QUE DEU MOTIVOS À SUSPENSÃO COMUNIQUE AO
    ADVERSÁRIO O MOTIVO DE TAL SITUAÇÃO. BASTA QUE APRESENTE AO TRIBUNAL COMPETENTE, NO PRAZO
    REGULAMENTAR, OS DOCUMENTOS COMPROBATÓRIOS DESCREVENDO OS MOTIVOS DO NÃO COMPARECIMENTO PARA O
    JOGO – É O QUE MANDA A FIFA E É O QUE PREVALECE DESDE 1873 (TALVEZ NO BRASIL SEJA DIFERENTE DO
    RESTO DO MUNDO). A SOLICITAÇÃO DOS PONTOS, MOTIVADA POR SUSPENSÃO NÃO-INTENCIONAL
    (INTOXICAÇÃO ALIMENTAR OU ALGO QUE O VALHA), É ATITUDE DE DIRIGENTE AMADOR QUE NÃO
    CONHECE/IGNORA AS REGRAS INTERNACIONAIS DO FUTEBOL SAIR COMENTANDO E CRITICANDO AQUILO QUE ELE É LEIGO.

Os comentários estão fechados.