Corínthians comemora título invicto e inédito da Libertadores

A festa corintiana tem todo o sentido. O Timão chegou pela primeira vez a uma decisão de Libertadores. Do outro lado o Boca Júniors, em sua décima final e com seis títulos conquistados. O Coringão  não baqueou, mandou no jogo, fez 2×0 e ergueu o troféu tão cobiçado, o título que faltava. Literalmente o Corínthians “abocanhou” o título.

O empate em La Bombonera, com o gol do jovem Romarinho, levava para o Pacaembu a igualdade de condições. Quem vencesse seria o campeão. O empate levaria a partida para a prorrogação e, quem sabe, até para a disputa da marca do pênalti.

Sob todos os aspectos o Corínthians foi superior. Soube parar Riquelme, teve o domínio das ações, não correu muitos riscos e criou mais situações de gol.

O primeiro gol, aos 8 do segundo tempo, encaminhava o alvi-negro para a conquista do título INVICTO, feito que havia sido conquistado pelo mesmo Boca no longínquo 1978. A cobrança da falta, o toque de cabeça na entrada da área, o calcanhar de Danilo, a matada no peito e chute certeiro de Émerson, o Sheik, era a senha para o início da comemoração.

Os Xeneizes não tiveram poder de reação, apesar da única chance, numa cabeça de Caruzzo para defesa do goleiro Cássio, um minuto antes do gol da consagração, que aconteceu aos 27 minutos, após falha grotesca do grandalhão e experiente Schiavi. Émerson foi rápido na tomada de bola e no pique até a saída do goleiro, mandando a bola no cantinho e saindo mais uma vez para o abraço. Estava consolidada a conquista: Corínthians – campeão invicto da Libertadores da América.

Já passava de meia-noite, quando os corintianos de Patos de Minas deram início à comemoração. Houve carreata, buzinaço, festa em boate, fogos, muitos fogos. E, na madrugada ainda podia ser ouvido:

“Salve o Corínthians,
o campeão dos campeões,
eternamente dentro dos nossos corações.
Salve o Corinthians
de tradições e glórias mil,
tu és orgulho, dos desportistas do Brasil.

Adamar Gomes – www.agesporte.com.br

Veja a comemoração da torcida corintiana em Patos de Minas: